quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

OS JOGOS DE HOJE: DO PORTO E DO BENFICA



AS CONCLUSÕES QUE SE IMPÕEM

No jogo de hoje ficou mais uma vez claro que o Benfica está em nítida subida de forma. Está uma equipa espectáculo, com algumas deficiências defensivas, e com eficácia atacante intermitente.
Até ao momento, melhor dizendo, depois do jogo com o Porto, não têm sido os golos sofridos, nas poucas vezes em que isso aconteceu, que têm retirado eficácia atacante à equipa. Embora reste saber como reagirá a equipa se tiver de virar o resultado.
Outro aspecto que não pode de forma alguma ser desprezado é a marcação de grandes penalidades. O ano passado, Cardozo não converteu uma única penalidade, sempre que a marcou com o Benfica (ou o Paraguai) empatado ou a perder. Este ano já tinha quebrado esse “enguiço”, mas hoje o "velho problema" voltou a aparecer. E quanto a David Luiz, por mais que se tente negar as evidências, é óbvio que há coisas que “mexem com a gente”. E ele está, há muito tempo, a sofrer as consequências disso.
Tudo assuntos que Jesus não pode descurar, embora se perceba que ele teve que moderar o discurso do princípio de época, para voltar a ganhar os jogadores.
A vitória de 2-0 sobre o Rio Ave, em Vila do Conde, foi uma boa vitória, que coloca o Benfica na meia-final da Taça de Portugal, embora pudesse ter tido uma maior expressão.
Quanto ao Porto, a conclusão que se retira é a de que o Porto é cada vez mais Hulk. Sem Hulk, ou com Hulk desinspirado, o Porto seria uma equipa completamente diferente. Já aqui disse e repito: Hulk é, de todos os jogadores que depois de 1960 pisaram os relvados portugueses, o mais parecido com Eusébio. Não é um Eusébio, mas é o que mais se assemelha.
Estranho é que, tendo no último domingo o Benfica feito uma grande exibição, o Nacional nunca se tenha entregado e tenha inclusive feito um grande jogo. Hoje, no Porto, para o campeonato, passou-se exactamente o contrário: o Nacional não existiu. Mérito do Porto? O Porto não jogou melhor do que o Benfica no domingo passado, apesar de estar a jogar contra uma equipa que não jogou.
Mistérios do futebol ….

1 comentário:

zeca disse...

o Nacional não se entregou pq o Benfica deixou, dando espaços e sofrendo golos que moralizaram a equipa madeirense. O FCP jogou muito bem contra o Nacional, bem melhor que o Benfica contra o Rio Ave, pq o fez sem intermitências e buscando sempre o golo. As equipas que têm jogado contra o FCP têm tido consistentemente poucas oportunidades de golo, porque o FCP tem sempre mais posse de bola. Dps obviamente vem-se dizer que "não existem". É difícil marcar golos sem ter a bola.